3 Princípios para Reter os Talentos Y

Uma análise sobre a pesquisa

Recentemente estive analisando a belíssima pesquisa “Empresa dos sonhos dos Jovens” da Cia. de Talentos – já em sua 13a Edição – e um dado chamou-me  muitíssimo à atenção. Somente 9% dos entrevistados (jovens entre 17 e 26 anos) dizem que o tempo ideal de se ficar em uma organização é acima de DOIS ANOS… ou seja, ALERTA VERMELHO!

Por ter fundado a ENORA Leaders aos 25 anos, posso dizer que até hoje tenho “a vantagem” de ter uma idade muito próxima da média do time que trabalha comigo, o que me permitiu um alinhamento interessante com as necessidades da Geração Y. Porém, 7 anos atrás a desvantagem se encontrava no fato de ser uma empresa ainda incipiente e como consequência o fator de atratividade e de retenção de talentos eram criticamente baixos. Tive que rapidamente aprender alguns princípios para superar o altoturn over e garantir o crescimento da operação para superar a fase de start up,caminhando assim para um nível mais maduro, reduzindo por consequência o turn over gradativamente. Estes princípios são:

1. Reduza o tempo para entrega… acelere as promoções.
Quando tomo a decisão de contratar alguém para meu time, sempre considero que a pessoa vai levar cerca de 6 meses para começar a entregar com maior autonomia para a empresa. Quer dizer, é claro que exitem variações dependendo da experiência anterior do candidato, mas antes dos primeiros meses o investimento da empresa no funcionário é maior que sua entrega de valor para a organização.
Uma prática que tenho utilizado ao longo dos anos é tirar as pessoas de sua zona de conforto, entregando logo no começo grandes projetos para que sejam protagonistas, garantindo sempre que tenham alguém sênior apoiando e garantindo que não “faça uma besteira que possa arriscar a operação”. Mentoring nessa fase é muito importante, então é necessário ter alguém ensinando e direcionando a pessoa de perto, mostrando o como fazer e o que não fazer — inclusive já transferindo rapidamente a cultura da organização. Como resultado deste processo, após 3 meses de trabalhoa pessoa acha que fez aniversário já na companhia.
Superados estes desafios originais, fica mais fácil já acertar com o funcionário uma promoção ou simplesmente um reajuste no salário, desde que atinja determinados resultados baseado no plano de trabalho que traçaram em conjunto. Assim, mantém-se o profissional focado, vendo que está crescendo rápido e se superando – ter quick wins , ou vitórias de curto prazo, é fundamental para a motivação não apenas nestes primeiros momentos, mas para toda a carreira dos colaboradores com este perfil “Y”. Eu nunca contrato a pessoa pela sua pretensão salarial… porém reajusto o valor para aquele que gostaria, após ele provar durante estes primeiros 6 meses que vale o que pediu — isso é meritocracia.2. Talento satisfeito, talento retido
Não se retém um jovem profissional hoje somente por status, salário ou cargo – isso ainda funciona como aponta a pesquisa da Carreer Builder – mas não é o mais importante para o médio prazo . Retém-se por identificação com o que a companhia faz (missão) e como ela faz (cultura), por vislumbrar crescimento e aprendizado acelerado. Esses fatos foram encontrados nesta pesquisa de 2011, feita pela Box 18-24, chamada “O sonho Brasileiro”, realizada com jovens entre 18-24 anos, “ter um motivo” no que fazem é o principal ponto desta geração.
Prover um clima favorável, ou seja, um ambiente de trabalho com interação junto aos colegas e transparência nas relações são obrigações do gestor, e não do RH… ele é quem dá os bons exemplos, é quem tem que jogar junto para promover aprendizagem e um clima favorável para reter os talentos, pensa em um plano para o crescimento de cada um, faz o talento sentir-se especial, permitindo que o substitua em reuniões, vá à treinamentos e eventos, fale em nome da empresa e realize um projeto importante para ele.
Com o tempo aprendi que a própria aplicação da pesquisa de clima melhora o clima…todos querem ser ouvidos, colaboradores jovens e mais sêniores.

3. Get the wrong people OFF the bus. (Tire as pessoas erradas do ônibus)
Lembro-me da primeira vez que li a famosa frase sobre o ônibus do Jim Collins , enquanto eu estava montando um Business Plan para a empresa que eu trabalhava nas Filipinas. A frase como escrita no livro “Feitas para Durar” (1994) ou “Built to last” dizia: “Primeiro você coloca as pessoas certas no ônibus; depois você encontra os assentos corretos para elas”.
Ele reescreveu esta frase em seu segundo livro “Feitas para vencer” (2001), Collins adicionou também o trecho “Primeiro você coloca as pessoas certas no ônibus; depois você retira as pessoas erradas do ônibus; e por fim, você encontra os assentos corretos para elas”.

Temos uma cultura mais paternalista no Brasil, ou seja, tentamos sempre proteger as pessoas. Contudo, manter a pessoa no trabalho somente por “pena” ou “amizade” é até uma injustiça com aquele indivíduo que poderia ser mais feliz e realizada profissionalmente em outra função.
Agora, um ponto que pensamos pouco é que, os colaboradores ruins desmotivam os bons, sobretudo se são todos compensados ou recompensados de forma igual. Assisti a uma entrevista uma vez com Jack Welch (ex-CEO da GE, considerado o maior gestor do século XX) em que ele curiosamente dizia que quase deixou a GE ao final de seu primeiro ano trabalhando lá. O motivo foi que, após 1 ano de trabalho seu chefe o chamou e entregou a ele um cheque de U$ 1.000,00 como bônus, parabenizando-o pelo seu excelente trabalho. Ao voltar a sua mesa, Jack descobriu que seus colegas também haviam ganho o mesmo cheque. Como ele julgava a performance de 2 dos 3 colegas “medíocre”, ele disse: “A partir daquele momento, passei a odiar aquelas mil dólares. Aqui não é lugar para mim que faço mais do que os outros.” E resolveu sair da companhia. Bem, como sabem, ele acabou não saindo da companhia, mas este conceito de “não manter funcionários ruins” fez inclusive com que Jack, mais tarde implantasse a regra do 20-70-10, em que os top 20% dos colaboradores em termos de desempenho eram promovidos, 70% mantidos onde estavam e, em uma curva forçada, os 10% com performance inferior eram convidados a se retirar da empresa (veja vídeo de 3 min. abaixo em que Jack explica este método).
Portanto, tenham coragem para tomar as decisões corretas e manter motivados estes talentos que já estão entrando na empresa pensando em sair. Sua participação ativa no relacionamento com o time será o fundamento para a retenção destes Talentos Y.

A Enora Leaders desenvolve programa para trainees e estagiários com aceleração da performance deles em curto período de tempo, transformando eles em altos potenciais para líderes.

Conheça um pouco de nossos programas para desenvolvimento de jovens talentos nas empresas, clicando aqui.

Ou entre em contato conosco.