Enfim Líder! Os Desafios do Início de Gestão

Todo momento de transição na carreira profissional é repleto de desafios. A transição para líder não é diferente e talvez seja uma das mais complexas. Exige novas competências e um planejamento especial para os primeiros meses que são primordiais para a consolidação da nova liderança.

AS TRANSIÇÕES E A CAPACIDADE DE ADAPTAÇÃO

A adaptabilidade é inerente ao ser humano, como demonstrado em diversos momentos da nossa evolução. Essa capacidade é refletida hoje em diversos ambientes e sistemas sociais, como por exemplo no mundo corporativo.
No ambiente de negócios, a capacidade de se adaptar a um novo cenário, atualmente, é entendida como competência essencial e o grau de adaptabilidade (mais rápido ou mais devagar) pode significar ganhos ou perdas significativas para o negócio.
Seja na transição para uma nova empresa, uma mudança de área, de função, a entrada de novos membros no time ou até mesmo uma nova liderança, o quanto antes conseguirmos nos adaptar ao novo cenário, maior a velocidade em gerar resultados.
Por outro lado, quando a transição é relacionada diretamente à você, como uma promoção a líder, a sua capacidade de adaptação interfere diretamente nos demais. Apenas quando você atinge seu ponto de equilíbrio, os demais atingirão também.jovem-lider

DE COLABORADOR INDIVIDUAL AO PRIMEIRO NÍVEL DE LIDERANÇA

A transição para a liderança é difícil porque representa uma série de mudanças que passam por aumentar seu raio de abrangência e visão do negócio, desenvolver novas competências, estabelecer novas relações e principalmente, pela forma como o seu trabalho é avaliado.
O desempenho do colaborador é avaliado pelo nível de contribuição ao negócio através das entregas, das competências funcionais e do atingimento de metas individuais.
Somada aos bons resultados, a capacidade de trabalhar em equipe e a compreensão do negócio mais apurada, contribuem fortemente para aumentar o potencial de promoção do colaborador.
Quando a promoção acontece, surgem os novos desafios de aprendizagem e a necessidade de se adaptar rapidamente a uma nova realidade: deixar de responder pelos resultados individuais e passar a responder, como líder, pelos resultados do grupo.

lider-de-si-lider-de-outros

No livro Pipeline de Liderança, escrito por Ram Charan, Stephen Drotter e James Noel, essa transição é chamada de 1ª passagem e compreende 3 principais fatores de mudança: habilidades, alocação de tempo e valores profissionais.
Em relação às habilidades, a adaptação mais difícil é o fato de deixar de fazer o trabalho anterior e passar a apoiar a equipe a fazê-lo. A dificuldade está em deixar de lado habilidades que garantiram o reconhecimento até aqui, para incorporar outras habilidades do gestor, como planejar, delegar, apoiar, avaliar e desenvolver pessoas.

Outro desafio importante é a alocação do tempo. Conciliar as suas atribuições e estar disponível para a equipe, para apoiar os outros a realizarem suas tarefas, passa a ser um fator determinante para o sucesso como líder. Esse fator é especialmente difícil para os gestores de primeira viagem que tendem a realizar o trabalho anterior e não assumem a liderança do grupo.
Um dos pontos mais difíceis é a mudança de valores profissionais. É preciso entender as práticas de liderança e gestão como impulsionadoras para os resultados com a equipe. E também não mais apenas aceitar os valores da empresa, mas também contribuir para fortalecê-los e disseminá-los no dia a dia.

Confira a seguir as principais mudanças de comportamento na transição para o primeiro nível de liderança:

tabela-colaboracao-nivel-de-lideranca

Fonte: Pipeline de Liderança, O desenvolvimento de líderes como diferencial competitivo, Ran Charan, Stephen Drotter, James Noel.

LEIA TAMBÉM:  A continuação deste artigo, em “Os Primeiros 90 Dias na Carreira de um Líder

Para saber mais sobre o processo de líderança que acelera a formação do líder, baseado no alinhamento de visão, confiança, conectividade influência e perseverança do time, conheça a Capacitação em Líderança para Alta Performance, que a Enora oferece com foco no resultado dos profissionais com desafios de liderança em suas trilhas.

Este modelo também pode ser implementado InCompany, focando ainda mais o desenvolvimento da liderança da empresa na estratégia da organização.