Mitos e Verdades sobre Trabalhar no Vale do Silício

Sempre ouvi falar muitas maravilhas sobre trabalhar no Vale do Silício – maior pólo tecnológico mundial. Vários fatos que lia sobre todos os benefícios de trabalhar no Google, LinkedIn, SalesForce, Yahoo, Facebook, Apple, entre outras empresas que são sediadas lá sempre me fizeram sonhar em como implementar tantas coisas legais no meu ambiente de trabalho.

É comum ver em revistas fotos dos lugares descolados onde os Googlers trabalham.

Porém, (em minha opinião) sempre tinha uma conta que não fechava: “Será que que investir num escritório bacana realmente gera mais resultado para a empresa?”.

Essa dúvida foi tirada no mês passado (janeiro 2015), quando tive a oportunidade de visitar os campus do Google, Facebook, Yahoo e LinkedIn no Vale do Silício. Abaixo seguem alguns mitos e verdades que descobri sobre todo esse mistério.

O que escrevo abaixo é baseado em minha experiência, durante alguns dias de visitas intensivas, com palestras  exclusivas, de executivos das áreas comerciais, RH e operações destas grandes empresas.

Curiosamente, elas compartilham de práticas muito parecidas de gestão de pessoas, recrutamento, desenvolvimento e retenção de talentos.

O Google foi eleito em 2014 a empresa mais desejada para se trabalhar. Ou seja, é a referencia em como extrair o máximo de seus recursos humanos e oferecer em troca o máximo à eles.

Nos 8 itens que classifiquei abaixo, perceba que todos giram em torno de “colaboração”:

1. Os benefícios oferecidos aos funcionários colaboram para atrair grandes talentos; Destas quatro grandes, todas tentam reter o máximo os funcionários dentro do campus de trabalho. Assim, inúmeros benefícios 100% gratuitos como: a liberdade de horário de entrada e saída do trabalho, o acesso de academias 24h com equipamentos de primeira, personal trainers, massagistas, esportes outdoor, pet shop para os animaizinhos dos colaboradores, salão de cabeleireiros, comida 24h, sem limites, horários de piqueniques, jogos, sala para ensaio de bandas, etc. São oferecidos para que haja valor do funcionário ao seu trabalho e desempenho.

2. Ambientes de trabalho descolados ajudam a reter os Turn Overs: Perguntei à Anna Rein (People Operations, do Google) se, o investimento de construir ambientes de trabalho tão diferentes se paga? Ela, não respondeu qual era o payback ou o ROI destes investimento em estrutura de trabalho, pois são informações sigilosas, porém disse que ajudava muito na retenção dos talentos, que por este ponto já valia o investimento.

3. A regra dos 20% livre: No Google, todos os colaboradores com cargo de engenharia são encorajados a usar 20% de seu tempo de trabalho para soluções que eles achem úteis para a empresa e não para àquilo que a empresa lhe solicita. O Gmail, surgiu num destes insights intra empreendedores dos 20% livre.

4. Clareza acima de tudo: No Google,  todas as semanas, os dois sócios fundadores da empresa (Larry e Segey) respondem qualquer pergunta abertamente feita por qualquer funcionário. Eles se reúnem em um seminário interno e todos podem participar presencialmente, através de vídeo conferencia ou email. A empresa toda saber dos detalhes, mitos e verdades de projetos, ajuda os colaboradores a confiarem no seu trabalho e se motivarem mais ainda com a empresa.

Sede_Google

5. Premiação entre colaboradores (Peer Bonus): Uma das práticas muito incentivadas no Google é a de premiações internas. Cada funcionário tem uma verba determinada para oferecer à outro funcionário que lhe ajude em uma tarefa que estaria fora de seu escopo. Assim, cada um pode agradecer de forma significativa qualquer um dos 50mil colaboradores da empresa, no mundo todo, que lhe ajudar a solucionar problemas.

6. Reuniões em movimento: É comum andar pelos Campus do Google e LinkedIn e Yahoo! e ver pessoas fazendo reuniões durante caminhadas ou passeios de bicicleta. Isso pois as empresas premiam as equipes  que realizarem reuniões móveis, incentivando a prática de esportes e hábitos saudáveis.

carros_eletricos_google7. Altíssima qualidade no recrutamento e seleção: Todas as quatro empresas salientaram a dificuldade colocada nos processos seletivos e na demora da finalização dos mesmos. Este item está relacionado diretamente com o Turn Over abordado acima, pois o valor das ideias e novos produtos que são gerados dentro das empresa é muito alto e a rigidez na contratação faz com que eles saibam que a pessoa quer mesmo trabalhar na empresa e que ela tem mais chances de ser confiável e não deixar vazar informações sigilosas de novos produtos e protótipos.

8. Carros Elétricos têm benefícios: As empresas incentivam a compra e uso de carros elétricos pelos colaboradores. Assim, é visível o benefício de quem usa um para ir ao trabalho, tendo vagas preferenciais perto das entradas dos prédios e combustível (energia elétrica) grátis para seus carros. Outros atos sustentáveis também são encorajados dentro das empresas, sujeitos a mais benefícios.

Na região de San Francisco e Vale do Silício, ideias não são os maiores ativos das pessoas, mas sim a capacidade de colocar estas ideias em prática(já que, quem as realiza primeiro, tem vantagem competitiva e geração de lucro para a companhia).

Com a visão desta finalidade nas companhias de tecnologia, ficou evidente que a contratação correta dos recursos humanos e a minimização do risco de perdê-los são os melhores investimentos que as empresas podem fazer.

Os benefícios oferecidos aos colaboradores abrangem interesses de todas as idades e tentam fazer com que seu tempo gasto dentro do campus seja legal, e não os faça pensar em sair de lá.

Os millenials (geração Y) valorizam a liberdade de fazer as coisas na hora que querem. Por isso a flexibilidade de horas de trabalho, desde que os resultados sejam atingidos. A geração X, mais do que nunca está valorizando a saúde e atividades em grupo, por isso oferecem  aos funcionários academias, massagistas, petshop, médicos e dentistas, todos os tipos de comida saudável e etc.  E os Baby Boomers, que valorizam muito a família e a qualidade de vida, também podem usufruir de tudo isso com sua família. Porém, é raro ver baby boomers andando pelos campus. A grande parte dos funcionários não passa dos 45 anos de idade.

Que este tipo de ambiente de trabalho e benefícios para empresas altamente competitivas já é uma tendência é claro, a questão de em quanto tempo chegará ao Brasil ainda perpetua.

Aos empresários e aos recursos humanos ficam a missão de como tornar sua empresa/marca aspiracional suficiente, ao ponto de trabalhar nela fazer parte da ambição dos colaboradores?

Ao meu ver, devemos primeiro investir em pessoas altamente produtivas, depois disseminar esta cultura na empresa e oferecer ambientes de trabalho propensos a potenciar os insights gerados internamente e ao final os benefícios serão encarados como reconhecimento e mérito ao time que entrega valor acima do esperado.

Através de uma missão do SEBRAE e FACESP, junto com outros 150 empresários brasileiros, tive esta oportunidade única. Agradeço ambas instituições pela experiência comercial, além do desenvolvimento profissional com todos da missão.